Roupa sustentável

Este blog apoia o movimento Fashion Revolution.

“O Fashion Revolution começou em 2014, um ano depois do colapso da fábrica de Rana Plaza, no Bangladesh, onde se fabricavam peças para algumas das marcas de moda rápida europeias mais conhecidas e onde morreram mais de mil pessoas. Carry Sommers criou o movimento online e, a partir daí chegou a vários países. O objectivo é sensibilizar todos os órgãos do sistema de moda (público, designers, distribuidores, artesãos, donos de fábricas e legisladores) a contribuir para uma indústria mais sustentável, que proteja as economias locais, os trabalhadores e os ecossistemas.”

 
 
Para mim não faz sentido ter um estilo de vida desperdício zero ou vegan e não me preocupar com aquilo que visto: onde foi feito? Por quem? Em que condições? Qual o impacto ambiental?

Comecei então a pesquisar sobre esta tema e tentei nesta página resumir as dicas mais importantes, para quem como eu, se quer vestir de uma forma ética e sustentável.

Inicialmente, disponibilizei um ficheiro com todas as lojas (de roupa e casa) que fui encontrando com opções sustentáveis, mas como se tornou impossível manter essa lista actualizada, optei por deixar aqui um directório com lojas em segunda mão.

“A roupa mais sustentável é aquela que já existe.”

Algumas notas:

  • Biológico/Orgânico: produzido sem químicos
  • Reciclado: peças feitas através de outras peças ou outros materiais já utilizados (aqui pode ser não só tecido, mas também plástico, etc). Tem-se ouvido falar ultimamente de calçado/roupa feita com garrafas de plástico, por exemplo (ter em atenção que este tipo de materiais tende a libertar micro-plásticos nas lavagens, portanto se adquirirmos este tipo de peças que sejam casacos exteriores, mochilas, etc., coisas que não lavamos com tanta frequência)
  • Fair Trade/Comércio justo: garantia de que os trabalhadores não são explorados, recebendo um salário justo pelo seu trabalho e tendo boas condições no local de trabalho
  • Vegan: sem qualquer material de origem animal (lã, couro, seda)
  • Melhores tecidos: Algodão biológico, Cânhamo, Linho, Lã (produção artesanal/sustentável)
  • Evitar: Acrílico, Poliéster e todas as fibras que contenham micro-plásticos na sua composição

Às vezes, pode ser difícil encontrar uma peça que conjugue tudo isto, por isso, deveremos sempre escolher a alternativa mais viável, naquela altura da nossa vida!

Para quem souber costurar ou conhecer costureiras, há ainda a possibilidade de fazerem ou mandar fazer a vossa própria roupa. Neste caso, tenham em conta estas preocupações na escolha do tipo de tecido. Também podem transformar peças que já tenham, fazendo pequenas alterações e ficam com peças novas! Arranjar aquilo que já temos será sempre o mais sustentável. O mesmo acontece com calçado, malas e mochilas que podemos levar ao sapateiro.

Neste site, feito pela Catherine*, que pertence ao grupo Lixo Zero Portugal, encontras todas as lojas em segunda mão em Portugal e podes, ainda, acrescentar novas lojas.

Mais sítios onde conseguimos comprar em segunda mão:

  • Vinted (link afiliado)
  • OLX
  • Marketplace do Facebook
  • Grupos de Facebook (há imensos grupos de vendas; nos grupos “Dou-te vens buscar…” com o nome da cidade à frente é tudo oferecido)
  • Mercados de trocas (há cada vez mais, procura no local onde vives ou começa a organizar um)
  • Trocas entre amigos, familiares e colegas (organiza um lanche onde cada um leva algumas peças que não usa)

*A Catherine fez também o site que tem todas as lojas a granel do país.

  • Foto: Abigail

    Ana Milhazes, Socióloga, Coach, Formadora, Instrutora de Yoga, fundadora do Lixo Zero Portugal

    Bem-vindos ao Ana, Go Slowly!

    Aqui cabe tudo aquilo que nos leva em direcção a uma vida mais simples, sustentável e feliz: minimalismo, slow living, desperdício zero, hábitos saudáveis, yoga e meditação.

  • Embaixadora

  • 10% de desconto com o código vidalixozero

  • Como começar?

  • O meu livro

    Vida Lixo Zero
  • Categorias